Número total de visualizações de página

terça-feira, 28 de abril de 2015

Vazio de Poder




O Poder instituído e democraticamente eleito, deverá não só reflectir a vontade dos eleitores, mas igualmente ser o seu rosto, a sua voz, satisfazer seus desejos, ansiedades e necessidades.
O Poder instituído, deverá ser o longo braço político de um povo, designadamente, nos meios mais pequenos, onde a proximidade é inevitável e por vezes irresistível.
O Poder consiste pois, no corpo politico que o leitorado proporciona, fomenta e elegeu.
Termos em que a proximidade entre o poder e o eleitorado é compreensível, e por vezes, até mais próxima que o desejável, nas suas dissemelhantes variantes.
No entanto, quando se afere, um afastamento entre esse mesmo eleitorado e o Poder instituído, o mesmo deixa de ser a voz dos que o elegeram, deixa de ser o braço e o rosto politico de um povo, ainda que circunscrito ao seu Universo eleitoral. Deixa de ser a solução. Ao invés é visto como o embaraço, o obstáculo à saciedade das necessidades de toda uma colectividade.
A esse fenómeno de afastamento entre o eleitorado e o Poder instituído, não se poderá chamar de desavença, pois verdadeiramente, tal enlace nunca foi consumado.
A esse fenómeno, chamamos de “ Vazio de Poder “.

 

Luís Miguel Martins

Sem comentários:

Enviar um comentário

Por motivos que se prendem com a falta de ligação entre os comentários e os Post colocados e outros, doravante todos os comentários serão previamente considerados.