Número total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

O mal de Portimão



O mal de Portimão, não foi a crise…

O grande mal de Portimão foi ter a Luz mais Carita do país durante muitos anos.



Luís Miguel Martins

Basta de tiros no pé ...




O Confessionário de Portimão adverte os Portimonenses, aquando as próximas eleições autárquicas.

Basta de tiros no pé…

 
Reflictam o que vos prometeram, o buraco que vos esconderam e o que foi a (in)gestão do Município de Portimão nos últimos 4 anos.

 
Reflictam o que era o Município de Portimão há uns anos atrás e o que é hoje em dia.

Basta de tiros no pé…



Luís Miguel Martins

E tu concordas ?




Depois de quase quatro anos de legislatura e de (In)gestão do Regime Socialista que Governa Portimão, concordas que Portimão mudou para melhor ou para pior ???




Luís Miguel Martins

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Preferes Mentiras ou dás uma oportunidade à Verdade ?


 
Aquando as últimas autárquicas o regime Instalado em Portimão, mentiu-te e ocultou a gravíssima situação financeira em que o Município de Portimão se encontrava.

Enganaram-te e prometeram um Oceanário, Insectário, Planetário, Cidade do Cinema e uma Fábrica de Carros.

Nas próximas Autárquicas vais continuar a preferir mentiras ou em dar uma oportunidade a quem sempre disse a Verdade ???



Luís Miguel Martins

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

70.000 visitas suplantadas.





O Confessionário de Portimão, na pessoa do seu Administrador Luís Miguel Martins, agradece a todo(a)s que permitiram que a barreira das 70.000 visitas fosse suplantada.

Recordo que este Blog além de individualizado e claramente identificado na pessoa do seu Administrador, é deontológica e politicamente assumido, frontalmente tendencioso e critico com aquilo que designa ser a (In)Gestão do Regime Vigente.

Grato a todo(a)s.

Luís Miguel Martins

Formas de abordagem: Política, Técnica ou ambas ?




Enquanto alguns acreditam piamente na solução política, outros defendem a tese da intervenção puramente técnica, o Confessionário de Portimão na pessoa do seu Administrador advoga que a ambas devem coexistir, devendo a primeira isto é a decisão política obedecer escrupulosamente a uma abordagem técnica.

Luís Miguel Martins

O exemplo pragmático da (In)Gestão do Regime




O exemplo pragmático da (In)Gestão Socialista em Portimão:

a) 4 anos sem pagar à Frota Azul;

b) 4 anos a usufruir dos serviços;

c) 4 anos a acumular dividas;

d) 4 anos a acumular juros moratórios;

Efeito:

e) Divida cerca 10 Milhões de euros;

 

Consequência:

f) Despedimento colectivo de 35/40 motoristas;

g) Aumento desemprego no Concelho Portimão;

h) Instabilidade Social;

i) Direito à mobilidade da população posto em causa.

Causador e Responsável:

Partido Socialista de Portimão, seus autarcas e restantes elementos nomeados.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Adeus, querido amigo e companheiro...



A família Social Democrata e toda a comunidade Portimonense, foi alvo de uma grande perda.

Faleceu o nosso querido amigo e companheiro Eurico Barros, homem justo e amigo, que durante mais de 3 décadas serviu a Social Democracia e a sua comunidade com sinceridade, seriedade e abnegação.

Um abraço fraterno a todos os amigos e conhecidos neste momento de despedida e em especial votos de sinceros sentimentos e condolências á sua família.



Luís Miguel Martins

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Confessionário de Portimão questiona



O Confessionário de Portimão questiona o Regime Socialista.

Onde está o PAEL ?????


Luís Miguel Martins

Começa a doer...




Os despedimentos não se ficarão somente pela Portimão Urbis…

Nos tempos que correm, falam da Portimão Urbis e dos hipotéticos despedimentos com estupefacção, supressa e até alguma estranheza.

Essa empresa, bem como todos as outras do sector empresarial autárquico do Município de Portimão, serviram somente para quatro coisinhas ao longo da sua existência e galopante endividamento: Desorçamentação, contratação dos amigos Socialistas e respectivos familiares, financiamento bancário e contratação de empresas amigas do Regime.

Desde o seu inicio que o PSD\Portimão e o Confessionário têm denunciado essa triste realidade. Bem como, desce 2009\10 temos vindo a avisar que despedimentos serão não só necessários como inevitáveis, perante tamanha (in)gestão do regime socialista.

A existir despedimentos que não se ficarão somente pela Portimão Urbis, a responsabilidade é inteiramente da família Socialista.



Luís Miguel Martins

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O maior carnaval do Mundo




Ainda dizem que o Carnaval do Rio de Janeiro é o maior do Mundo.

Não concordo…

Em Portimão o Carnaval já dura há quase 12 anos.


Luís Miguel Martins

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Depois deste carnaval, será necessário varrer...




Em pleno período Carnavalesco, os foliões mascaram-se, divertem-se, dançam e lançam papeis e outros objectos próprios da época ao ar.

Findo os bailes, os foliões tiram as máscaras e o chão é limpo, ou melhor varrido.

Em Portimão o Carnaval já começou há alguns aninhos. Tem sido festa atrás de festa, folia atrás de folia. A máscara igualmente já foi retirada não há muito, mas já foi.

Hoje em dia todos os Portimonenses sabem o que cada folião fez, onde, como e a quem e as consequências nefastas dos seus actos.

Termos em que O Confessionário de Portimão  aconselha que este ano de 2013 a memória deste Carnaval Portimonense que já dura há muito, não se esfume no tempo e chegue até às próximas autárquicas.

Pois nas próximas autarcas, será tempo não de varrer o chão do baile, mas antes de varrer a Câmara de Portimão.



Luís Miguel Martins



segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Quem serviu para enterrar não pode servir para salvar





Desde sempre, tenho vindo a  advogar que quem serviu para enterrar não pode servir para salvar.
O Confessionário de Portimão tem desde sempre defendido esta tese, como se de uma dissertação se tratasse, entendendo que a mesma deverá ser estendida não só no plano da política autárquica como também no plano da política nacional.
Mas tenhamos a certeza que a pá que abriu o buraco no Município de Portimão e com isso degradou a qualidade de vida no nosso concelho, não pertence somente àqueles que decidiram em sede de executivo municipal, mas também àqueles que na Assembleia Municipal aprovaram cegamente as medidas e orçamentos irrealistas, não se podendo colocar de partes os próprios Presidentes de Junta eleitos pelo partido socialistas.
A política carece de novos actores, de novos guiões, de novos argumentos, enfim de uma nova mentalidade…

Luís Miguel Martins

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Confessionário de Portimão: Atento, Vigilante e Interventivo



Durante algum tempo o Confessionário de Portimão auto medicou-se e passou a si mesmo uma justa e merecida licença sabática.

A mesma deveu-se não à ida do seu Administrador, ou seja a minha pessoa, para o Conselho de Administração do Hospital de Faro, muito menos à falta de vontade em continuar o combate politico em Portimão. Não meus amigos, não foram esses os motivos.

Essencialmente o que motivou a licença sabática do Confessionário de Portimão, foram os ataques e impropérios injustos que o seu Administrador foi alvo aquando a sua deslocalização para o Sotavento. Não que fossem incómodos, para ser franco como diz o outro “ não liguei puto “, designadamente identificada a sua proveniência, mas sim, pelo simples cansaço que os mesmos acarretam.

Permitam-me igualmente que informe que a intervenção politica continuou a ser feita, não nos moldes iniciais, onde além de denunciar a situação do Município de Portimão, o principal objectivo foi rapidamente alcançado, pois a sociedade Portimonenses começou ela própria a discutir horizontalmente a questão, mas antes nas esferas judicias e políticas, aquando os afamados Planos de Saneamento I, II, III e o próprio PAEL.

O Confessionário de Portimão esteve sempre atento e vigilante.

O Confessionário de Portimão continua atento e vigilante.

O Confessionário de Portimão estará sempre atento, vigilante e interventivo.

 
Cordiais e simpáticos cumprimentos a todo(a)s.

Luís Miguel Martins