Número total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

A Política do choradinho




Os Novos Rumos ganharam a corrida ao município de Portimão, com um programa de solução com uma centena de medidas para o gravíssimo problema económico-financeiro que assola o Município de Portimão.
De lá a esta parte, limitaram-se os Novos Rumos entre outras medidas tomadas de pouco relevo,  reduzir horas com o pessoal de 40 para as 35 e das 37,5 para as 32 horas de trabalho semanal, o que conjugado com a redução salarial imposta dá uma redução, quer se queira ou não, pouco significativa na despesa com o pessoal, medidas conjunturais diria O Confessionário de Portimão.
Medidas estruturais que reduzam e estabilizem o défice estrutural mensal na ordem dos 3 milhões mês, nem vê-las.
Ao invés, os Novos Rumos, em detrimento de soluções e de medidas efectivamente duras e imprescindíveis, têm preferido ir choramingar para o porta do gabinete do Secretário de Estado da Administração Local, Director Geral do tribunal de Contas, Associação nacional de Municípios, Ministra das Finanças e agora por último o Sr. Primeiro Ministro, como se essas entidades pudessem enviar um camião com dinheiro para o Município de Portimão ou pura e simplesmente apagar a divida total de várias centenas de milhões de euros.
Esquecem os Novos Rumos que foram eleitos para Governar e não para choramingar. Chorar nas portas dos Gabinetes ou nos jornais que o Município está falido, foi o que o Partido Social Democrata andou a fazer durante mais de 4 anos e o PS sempre a desmentir.
Meus senhores e minhas senhoras, parem de choramingar e Governem


Luís Miguel Martins

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Tática do Regime: Chutar para canto





É notório que as publicações do Confessionário de Portimão, causam embaraço ao Regime instalado em Portimão e a todos os seus apaziguados.
Obviamente que O Confessionário de Portimão e o seu Administrador irão continuar a fazer chegar aos Portimonenses determinados factos que o Regime oculta e se julga serem pertinentes, e nem convites ou propostas recusadas nos farão parar…
Mas mais incómodo, ao Regime provocam os requerimentos sobre acesso a determinados processos e sobre a facturação. No que a estes temas diz respeito, não tenhamos dúvidas, nem sejamos ingénuos ou o Regime não responde ou chuta para canto, responde ao que não foi perguntado ignorando as questões que o podem ferir de morte.
Novos Rumos…
Não…
Velhos hábito.

 

Luís Miguel Martins

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Portimão Urbis chuta para canto ...

 
O Administrador do Confessionário de Portimão, na qualidade de autarca intentou requerimento em 16 de janeiro de 2014, dirigido à Exma. Sra. Presidente da Câmara a questionar a Exma. Sra. Presidente da Câmara Municipal e o Conselho de Administração da Portimão Urbis, qual a motivação factual e legal, para as facturas, no valor de 12.642.704,69 €,  infra descriminadas, só agora ( em 2014 )terem sido submetidas ao plano de pagamento do PAEL e o porquê da sua data ser de 31.08.2013.
A Portimão Urbis, chuta para canto, responde bugalhos quando lhe perguntam alhos e responde da seguinte forma:
Resposta da Portimão Urbis fielmente transcrita:
“ Relativamente ao assunto em epígrefe cabe-nos a esclarecer que as facturas abaixo referenciadas foram emitidas em Agosto de 2012, na medida em que na sua maioria, exetuando as factuas n.º 1195500032 e 119550042 que são referentes ao exercício de 2011 ( valor apenas apurado em 2012 ), são referentes ao exercício de 2012.”.
Sobre a motivação factual ???
Sobre a motivação legal ???
A razão das facturas de 2012 só surgirem em 2014 ???
Nada… rigorosamente nada…
 
As outras questões deixo para o(a)s meus/minhas amigas, mas eu por mim vou solicitar cópia das ditas facturas e exigir cabal resposta às perguntas efectuadas e reunião com a Sra. Presidente da Câmara e com o Sr. Presidente do Conselho de Administração da Portimão Urbis.

 

Luís Miguel Martins
 

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Novos Rumos, Velhos Hábitos ...


 
 
Vivem-se tempos de crise.
Não existe dinheiro para nada.
O tema “ despedimentos “ quer se queira ou não está em cima da mesa e, perdoem-me a frieza, será inevitável.
E no meio disto tudo, alguém consegue compreender, como a EMARP contrata por 25.000,00 € a Universidade de Faro, para fazer “ um estudo de viabilidade económico-financeiro e racionalidade económica para a constituição da EMARP numa empresa intermunicipal com Lagoa ”, quando a título de exemplo a Portimão Urbis tem “ paletes “ de economistas e gestores com vencimentos principescos e com falta de trabalho… habilitados a fazer o estudo contratado.
E que tal em vez de se deitar 25.000,00 € à rua, que não se tem, colocarem essa gente a trabalhar,
 
Ou,
Contratou-se a Universidade de Faro, somente porque o recentemente nomeado Presidente da Assembleia da EMARP, que ia na lista dos Socialistas, por lá ministra umas aulas ?????

 

Luís Miguel Martins

Alhos e Bugalhos ...


Na passada sexta-feira, em plena Assembleia Municipal, defendia um ilustre e distinto socialista o rigor e a transparência dos Novos Rumos, e como estes Novos Rumos são dissemelhantes dos Velhos Rumos.
Pois bem,
Amanhã publicará O Confessionário de Portimão a resposta dada pela edilidade local à questão colocada à Exma. Sra. Presidente da Câmara sobre qual a motivação factual e legal, para as facturas, no valor de 12.642.704,69 €,  infra descriminadas, só agora ( em 2014 )terem sido submetidas ao plano de pagamento do PAEL e o porquê da sua data ser de 31.08.2013.
 
Depois de sabermos que o rigor, anda esquecido, pois só se atrasaram na resposta em 18 dias úteis, ficarão a saber que por vezes quando se pergunta por alhos o Regime tende a responder bugalhos…

Luís Miguel Martins

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Novos Rumos continuam a ocultar informação a autarca…





O Confessionário de Portimão, mais uma vez denuncia aquilo que designa de falsos moralismos dos Novos Rumos, e eis que novamente demonstra como estes Novos Rumos são iguaizinhos aos Rumos anteriores, senão vejamos:
O Administrador do Confessionário de Portimão, na qualidade de autarca intentou requerimento em 16 de janeiro de 2014, dirigido à Exma. Sra. Presidente da Câmara a questionar a Exma. Sra. Presidente da Câmara Municipal e o Conselho de Administração da Portimão Urbis, qual a motivação factual e legal, para as facturas, no valor de 12.642.704,69 €,  infra descriminadas, só agora ( em 2014 )terem sido submetidas ao plano de pagamento do PAEL e o porquê da sua data ser de 31.08.2013.
 

Facturas número
Data
Valor
Entidade
Total
032
31.08.2012
3.109.529,77 €
Portimão Urbis
 
033
31.08.2012
1.560.884,03 €
Portimão Urbis
 
034
31.08.2012
4.281.596,27 €
Portimão Urbis
 
035
31.08.2012
1.367.057,61 €
Portimão Urbis
 
036
31.08.2012
439.302,18 €
Portimão Urbis
 
037
31.08.2012
194.061,82 €
Portimão Urbis
 
038
31.08.2012
429.885,00 €
Portimão Urbis
 
039
31.08.2012
221.400,00 €
Portimão Urbis
 
040
31.08.2012
590.045,76 €
Portimão Urbis
 
041
31.08.2012
255.561,15 €
Portimão Urbis
 
042
31.08.2012
223.381,10 €
Portimão Urbis
 
 
 
 
 
12.642.704,69 €

 
Decorre da Legislação vigente que a Exma. Sra. Presidente da Câmara de Portimão, é obrigada a responder e no prazo de 10 dias úteis.

Pois bem caro(a)s amigo(a)s passados 26 dias úteis, a ilustre Exma. Sra. Presidente da Câmara de Portimão, ainda não se dignou a responder.

Novos Rumos, não… Mais do mesmo.

Uma questão se coloca. E tu também não gostavas de saber ??????????

 

Transcrição fiel do Requerimento:

 

LUIS MIGUEL MARTINS

 Membro Ass. Municipal


                                                                                   Exma. Sra. Presidente da Câmara

                                                                                  Municipal de Portimão

                                                                                   Dra. Isilda Gomes


ASSUNTO: Alteração da lista de pagamentos que integram o PAEL e omissão de deliberação por parte da Assembleia Municipal.

 
Exma. Senhora Presidente,

Serve a presente para questionar V. Exc. e o Conselho de Administração da Portimão Urbis, qual a motivação factual e legal, para as facturas infra descriminadas, só agora terem sido submetidas ao plano de pagamento do PAEL e o porquê da sua data ser de 31.08.2013.


Facturas número
Data
Valor
Entidade
Total
032
31.08.2012
3.109.529,77 €
Portimão Urbis
 
033
31.08.2012
1.560.884,03 €
Portimão Urbis
 
034
31.08.2012
4.281.596,27 €
Portimão Urbis
 
035
31.08.2012
1.367.057,61 €
Portimão Urbis
 
036
31.08.2012
439.302,18 €
Portimão Urbis
 
037
31.08.2012
194.061,82 €
Portimão Urbis
 
038
31.08.2012
429.885,00 €
Portimão Urbis
 
039
31.08.2012
221.400,00 €
Portimão Urbis
 
040
31.08.2012
590.045,76 €
Portimão Urbis
 
041
31.08.2012
255.561,15 €
Portimão Urbis
 
042
31.08.2012
223.381,10 €
Portimão Urbis
 
 
 
 
 
12.642.704,69 €

 

Espera e Aguarda deferimento

Luís Miguel Martins
 
Luís Miguel Martins