Número total de visualizações de página

sábado, 29 de maio de 2010

Governo do Sr. Sócrates cria Monopólia para os amigos


Magnifico exemplo de como o Governo do Sr. Sócrates criou um Monopólio para uma empresa amiga do sistema:


"O relatório conclui ainda que o Governo "obrigou" os operadores a entrar neste projecto, tendo utilizado a FCM como "intermediário", o que criou "uma situação de monopólio" para a empresa JP Sá Couto. A deputada pe...de também que este relatório, que vai ser discutido e votado na próxima semana, seja enviado para o Tribunal de Contas e para a Comissão Europeia."



Fonte: Jornal "O Correio da manhã"


Luis Miguel Martins

Despesa dolosa e danosa ao erário público.


Mais um péssimo exemplo da gestão dolosa dos "nossos" dinheiros públicos, suportados pelos impostos que pagamos.


Mais um exemplo de como aumentar o défice público.


"Magalhães com dívida de 110 milhõesAs conclusões da Comissão de Inquérito ao Magalhães revelam que TMN, Optimus, Vodafone e Zon reclamam uma dívida de 109,1 ...milhões de euros à Fundação para as Comunicações Móveis (FCM), um valor que poderá ser pago pelo Governo, já que as empresas equiparam os compromissos da FCM à Dívida da República. "


Fonte: Jornal "O Correio da manhã"


Luis Miguel Martins

sexta-feira, 28 de maio de 2010


Em 2000 em pleno euro a selecção nacional estava a perder 0-2 com a Inglaterra nos primeiros 30 minutos.


Por todo o mundo julgava-se que os Portugueses iam ser goleados e humilhados...


Mais uma vez a força Lusa veio ao de cima e transformaram um resultado de 0-2 numa grande vitória de 3-2.


Por isso se em 200 0os Portugueses conseguiram superar os obstáculos, em 2010, os Portugueses também conseguirão vencer o Governo do Sr. Sócrates.


Luis Miguel Martins

quinta-feira, 27 de maio de 2010


Palavras de quem sabe o que diz e porque o diz...


"Ora, de nada serve aumentar o IVA, ou tributar mais-valias, se o Estado continua a esbanjar recursos. No esbanjadouro são muito claros dois tipos de papa-reformas: as obras públicas desnecessárias e os papa-reformas em sentido próprio. O Estado (o Governo, o primeiro-ministro) vive agrilhoado a um conjunto de compromi...ssos políticos, arranjinhos, promessas, vassalagens, dívidas que paga periodicamente em quilómetros de auto-estradas, túneis e, agora, em TGV com paragens em todas as estações e apeadeiros do poder local (desenhado em cima da mapa da volta a Portugal em bicicleta). (…) Além das vassalagens, não podemos esquecer os outros papa-reformas, profissionais da acumulação de reformas públicas, semipúblicas e semiprivadas. (…) Tudo isto, como sempre, é feito ao abrigo da lei. É que isso dos crimes contra a lei é para os sucateiros. O problema é que a lei que dá é refém dos beneficiários que tiram e da sua ética»."Palavras que vão ficar para sempre, do inesquecível Saldanha Sanches.

A confissão do Sr. José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa


Aquando a sua confissão no Confessionário de Portimão, um senhor de nome José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa, confessou que:

“Se eu podia viver sem crise, sem desemprego, sem manifestações, sem o desperdício dos dinheiros públicos, sem a entrega da gestão das auto-estradas e hospitais aos privados, sem a contratação de Boys e mais Boys, sem o controlo sob os media, sem uma “pseudo” licenciatura concluída ao domingo por fax, sem ver o nome da minha pessoa e meus familiares ligado ao caso “freeport”, sem TVG e novo aeroporto e sem o aumento de impostos.”

“Se eu ainda conseguia viver com salários altos, com qualidade de vida, com segurança, com gerações futuras livres do excessivo endividamento, com um novo modelo de desenvolvimento que não importasse o constante endividamento excessivo do Estado. ”

“Poder até podia, mas não seria a mesma coisa”

Frase atribuída ao Sr. José Sócrates por Luís Miguel Martins

quarta-feira, 26 de maio de 2010

O Futuro


"Isso vai meus amigos isso vai,

um passo atrás são sempre 2 em frente,

e um povo verdadeiro não se trai,

não quer gente mais gente que outra gente;


Isto vai meus amigos isto vai

o que é preciso é ter sempre presente

que o presente é um tempo que se vai

e o futuro é o tempo resistente;


Depois da tempestade há a bonança

que é verde como a cor que tem a esperança

quando a àgua de Abril sobre nós cai;


O que é preciso é termos confianças

e fizermos de Maio a nossa lança

isto vai meus amigos isto vai."


Do grande: Ary dos Santos


Tema:"O Futuro"

terça-feira, 25 de maio de 2010

Já são mais de 350 vozes...




O grupo "Não à criação da Discoteca Sasha Empresa Municipal E.M", conta já com mais de 350 membros, que uniram a sua voz num pedido de responsabilização, coerência, respeito e dignidade pela gestão dos "nossos" dinheiros públicos, perante o desgaste desmedido e descontrolado por parte dos governantes locais e nacionais, somente em prol de alguns interesses instalados e não em prol dos interesses da colectividade.




Mias de 350 vozes exigem respeito ao dispêndio do dinheiro provindo dos nossos impostos.




quinta-feira, 20 de maio de 2010

300.º membro do grupo “Não à criação da discoteca Sasha empresa Municipal E. M” .


O grupo “Não à criação da discoteca Sasha empresa Municipal E. M” já conta com mais de 300 membros.

São mais de 300 vozes que se uniram para exigir mais rigor, seriedade e respeito pelo dinheiro público provindo dos nossos impostos e administrados pelos Governantes locais e nacionais.

O que começou por ser uma exigência pelo não dispêndio de capitais públicos por parte do Município de Portimão, através da sua empresa municipal numa discoteca, onde claramente não se afigura o interesse público, bem como a concorrência directa com os empresário privados, ainda que mantendo essa contenda, tem assumido uma direcção mais abrangente, visando todo o dispêndio de dinheiros públicos que não sejam destinados para a satisfação das necessidades da colectividade e representem bens e equipamentos supérfluos.

Hoje em dia não dizemos somente “Não à criação da discoteca Sasha empresa Municipal E. M”, mas igualmente gritamos a alta voz, aos governantes locais e nacionais, RESPEITEM e DIGNIFIQUEM o dinheiro provindo dos nossos imposto.
Caso concorde com o acima mencionado, junte-se a nós no faceBook e seja mais uma voz a exigir Respeito e Dignidade pela gestão dos "nossos" dinheiros públicos.

A todos os membros um elevado reconhecimento pela V/participação.

Luís Miguel Martins

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Sócrates não pede desculpas






Sr. Sócrates não pede desculpa aos Portugueses por subir os impostos.


E por “enterrar” o país, por não cumprir nenhuma promessa, por não ter efectuado nenhuma reforma, por atacar os funcionários públicos e as famílias, por criar mais de 1.5 milhões de desempregados, por levar à falência uma empresa em cada hora.


Será que vai pedir desculpas?

P.S: O Confessionário de Portimão, aguarda pacientemente a confissão desse senhor.

Exigimos dignidade e respeito pelos nossos dinheiros públicos.


Os governantes Locais e Nacionais, não respeitam, nem consideram o dinheiro provindo dos impostos pagos pelos Portugueses.

Os nossos governantes, ao longo de 35 anos de Regime Democrático, gastaram, despenderam, queimaram e dilapidaram os dinheiros públicos, sem o mínimo respeito ou consideração para com o contribuinte.
Esse desrespeito e desconsideração pelo erário público, ajudou e em muito a criar as dificuldade que o país e os Portugueses passam.
Vivemos tempos conturbados. Vivemos tempos em que o Estado e as Autarquias devem mais daquilo que podem pagar. Tempos em que os fornecedores do Estados e da generalidade dos Municípios simplesmente batem com o nariz na porta, nem são ressarcidos do seu crédito, nem são atendidos. Tempos em que empresas ontem saudáveis, hoje encontram-se falidas, mandando milhares de Portugueses para o desemprego, simplesmente porque o Estado e os Municípios não honram seus compromissos pagando a tempo e horas.
Tempos em que os Estado e os Município já endividaram as próximas duas gerações. Crianças que ainda não foram concebidas, já têm um passivo de muitos mil milhões de euros à sua espera.
Vivemos tempos em que o Estado e os Municípios ainda pedem mais sacrifícios às famílias e às empresas.

Pois os tempos hoje são de mudança.
Devemos todos reivindicar, exigir, respeito e consideração pelo dispêndio dos nossos dinheiros públicos.
Exigimos, que os governantes nacionais e locais, respeitem quem paga impostos.
Exigimos, que os governantes nacionais e locais somente gastem ao erário público, efectivamente o que for necessário e somente em prol das reais e verdadeiras necessidades da comunidade e não em bens e equipamentos supérfluos, dispendiosos e desnecessários, que só servem para abafar o ego de uns quantos vaidosos, que se auto promovem à custa do erário público.

Por isso e somente, porque exigimos respeitabilidade e dignidade pela gestão dos “nossos” dinheiros públicos, foi criado o grupo “Não à criação da discoteca Sasha Empresa Municipal” por entendermos que é uma ofensa gritante o dispêndio de dinheiro público numa discoteca, em danças e copos, quando as reais e verdadeiras necessidades da comunidade ( de todos nós ) são completamente diferentes e mais urgentes. Bem como discordamos que o Município de Portimão, ou até o próprio Estado, não deverá concorrer com os empresários privados, do ramo da diversão nocturna.

Se concorda, com o acima exposto, torne-se membro do grupo “Não à criação da discoteca Sasha Empresa Municipal”, no facebook e junte a sua voz à nossa.


Luís Miguel Martins

terça-feira, 18 de maio de 2010

As hesitações do Prof. Cavaco Silva


O professor Aníbal Cavaco Silva, promulgou a “ lei que autoriza o casamento entre Homossexuais”, explicitando as razões da promulgação, ainda que hesitante:

a)«Tendo em conta o superior interesse nacional, face à dramática situação do país», o Presidente da república declarou que não quis «arrastar» a questão e devolver o diploma à Assembleia da República.b)Embora discordando do diploma, Cavaco referiu que «Há momentos na vida de um país em que a ética da responsabilidade tem de ser colocada acima das convicções pessoais de cada um. Assim, decidi promulgar a lei que permite o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo»

Ainda que por questões pessoais, não concorde, minimamente com o diploma agora promulgado. Entendo que os Homossexuais têm o direito de viver em união de facto, ou seja qual for a designação que lhe queiram dar, mas por motivos Constitucionais, Históricos, Naturais, culturais e até religiosos, por amor de Deus, não lhe chamem é de casamento.

No entanto, ainda vou mais longe, considero que um Presidente da República que se desculpa que promulgou a lei, ainda que nãos e encontra-se convencido, segundo palavras do próprio, por motivos relacionados com a situação económica-financeira em que o pais se encontra, praticou um péssimo acto ao país.

O país precisa de um Presidente da república, de um Chefe de Estado, que tome decisões convicto dos interesses nacionais e dos portugueses.

O país precisa de um Presidente da república e de um Chefe de Estado que não renuncia à sua competência, legal e constitucionalmente tipificada.

O país precisa de Homens e Mulheres que tomem as decisões inerentes aos seus postos de acordo com a sua convicção e interesses.

O país não precisa de Homens e Mulheres que “suspendam” ou se recusem a tomar as decisões, ainda que as considerem as mais acertadas, por questões de conveniência.

O pais não precisa de decisões adiadas.

Por isso, o Prof. Cavaco Silva, ao promulgar essa lei, com essas justificações e hesitações, não foi o meu Presidente.

Luís Miguel Martins










segunda-feira, 17 de maio de 2010

A VERDADE e nada mais que a VERDADE





Confesso, que não tenho por hábito responder a comentários efectuados a Post colocados. No entanto não posso compactuar com a MENTIRA e a VERDADE.

A 11 de Maio de 2010, uma pessoa de denominação “Gersávio”, fez o seguinte comentário, no que concerne à data, a publicação do 200.º membro do grupo “ Não á criação das Discoteca Municipal Sasha Empresa Municipal”:

“Gervásio, o portimonense disse...
Eu respeito toda a gente. Agora se um responsável político do PSD lança uma campanha contra o sasha que tem a adesão de meia dúzia de gatos pingados (de cor de laranja desmaido)e diz em alta voz que é um grande feito, só pode ser para rir...”




Perante as MENTIRAS mencionadas, cumpre-me repor a verdade:

À cerca de mês e meio foi criado um grupo no facebook, cuja designação é "Não à criação da Discoteca Sasha Empresa Municipal.”.

Grupo esse que conta já com 243 membros. 243 pessoas. 243 cidadãos que têm o direito e a liberdade de expressão e de livremente se exprimirem. Tratando-se de pessoas e não gatos, onde efectivamente encontram-se pessoas apartidárias, pessoas ligadas ao PPD/PSD, Bloco Esquerda, CDU e até Socialistas.

243 pessoas que não lutam contra nenhum projecto em particular, nem contra nenhuma pessoa em singular, como falsamente, tem sido mencionado. Não existindo nada escrito ou dito que reporte tal FALSA acusação.

O grupo “Não à criação da Discoteca Sasha Empresa Municipal.”, luta sim, contra:

a) A concorrência desleal por parte do Município de Portimão, com os empresários privados do ramo da diversão nocturna;
b) O trato, fornecimento de equipamentos e apoios concedidos a um só empresário em detrimento de todos os outros;
c) A falta de Atribuição legal do Município de Portimão e de objecto social da Empresa Municipal, não lhe permitindo explorar discotecas e vender copos;
d) O desrespeito e desconsideração que é o dispêndio do dinheiro público em Portimão, que teoricamente é de todos nós, mas só é dispendido em prol de uns quantos.

Entendemos que Portimão carece de emprego, coesão social e outras necessidades.

Entendemos que deve o Município assumir-se como pessoa de bem e responsável e pagar as suas dividas a fornecedores bem como cobrar as devidas e não perdoá-las, ao abrigo de um qualquer pretenso contrato programa.
´
Exigimos respeito, consideração pelo bem escasso em vias de extinção que é o “nosso” dinheiro público.

Luís Miguel Martins

domingo, 9 de maio de 2010

32.º título de Campeão Nacional, do Glorioso


O Confessionário de Portimão, transmite votos de parabens ao Glorioso, pelo seu 32.º Título de Campeão Nacional.


O Benfica, seus jogadores, equipa técnica, direcção, funcionários, adeptos e simpatizantes estão todos de parabens por mais um título.


Que esta onda vermelha se torne num Tsunami encarnado de mais e muitos mais títulos.


Uma palavra de apreço, pela excelente campanha do Braga, que igualmente encheu de orgulho as gentes da sua região e respectivos adeptos.


Igualmente enceta votos de parabens O Confessionário de Portimão aos dois grandes clubes do Algarve: Olhanense e Portimonse que breve, breve irão juntamente competir na 1.º liga, tornando-se estandartes de promoção e orgulho de toda a nação Algarvia.