Número total de visualizações de página

terça-feira, 28 de junho de 2011

Ajustes Directos continuam em Portimão



Independentemente da publicação obrigatória dos Ajustes Directos online, por vezes ainda somos surpreendidos. Desta feita fomos assombrados com um Ajuste Directo contratualizado em 10 de Agosto de 2010 e somente foi publicado em 21 de Junho de 2011.


Um Ajuste Directo de uns simbólicos 174.000,00 € para a contratação de uma arquitecta de nome Catarina Isabel Antunes dos Santos por 680 dias, perfazendo a bonita soma de 255,00 €/dia, cuja função seria a Coordenação do Processo de Elaboração de um Master Plan para a Zona Antiga de Portimão e Consultoria Técnica de Acompanhamento na Elaboração de uma Operação de Reabilitação Urbana Sistemática da Zona Antiga de Portimão.


Obviamente que além do valor elevado, outro facto nos chama a atenção. Não fosse o Município de Portimão ter um Departamento de Obras e Serviços Gerais e uma Divisão de Obras, mais um Departamento técnico de Planeamento e Urbanismo composto pelas divisões de: Arquitectura, Planeamento e Gestão urbanística, Rede Viária, Informação geográfica, Divisão transito, Fiscalização Obras particulares, Fiscalização obras Públicas e Divisão de Desenho, composto por ilustres e reconhecidos técnicos, entenda-se arquitectos, qual a verdadeira razão que leva a este despesismo desenfreado e ao permanente esquecimento dos funcionários do próprio Município ????


Sem abordar os igualmente competentes e reconhecidos arquitectos privados que exercem a sua profissão em Portimão e no Algarve.


Confirme tudo em: http://www.base.gov.pt/_layouts/ccp/AjusteDirecto/Detail.aspx?idAjusteDirecto=244130&lk=srch

Luís Miguel Martins

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Portimão: Férias “ in and for the house” .



O Confessionário de Portimão, não pode deixar de partilhar convosco uma história real que se passou hoje muito de manhãzinha em Portimão.


Como sabem abriram hoje as inscrições das férias infantis em Portimão. Férias essas destinadas aos mais novos, de todos os estratos sociais e etnias. Hoje um certo e determinado papá Portimonense, acordou por voltas das 5:30 para chegar bem cedo e inscrever seus dois filhos nas férias infantis.


Foi o primeiro a chegar e por volta das 06:00 começou a formar-se uma fila de papás e mamãs desejosos de inscrever suas criancinhas, nas férias que devem ser para todas as crianças.


Eis que o atendimento ao público abre por volta das 09:00 e o nosso papá é o primeiro de todos a ser atendido, fruto da sua persistência e vontade em inscrever seus filhotes. O referido papá pretendia inscrever seus dois filhos no grupo C, o grupo das actividades marítimas e náuticas”, mas para seu espanto só havia uma vaga, porque todas as outras vagas disponíveis estavam já ocupadas.


Indignado o referido papá questionou, “ Mas como é possível só haver uma vaga se sou a primeira pessoa a ser atendido ? ”. Bem, não houve resposta e instalou-se um silêncio ensurdecedor.


Bem, nós por cá, não ficamos espantados nem admirados. Portimão tem vindo a tornar-se, nomeadamente nestes últimos 10/12 anos numa cidade de filhos e de enteados. Numa cidade onde os filhos do regime e do sistema têm prioridade sobre todos os demais.


Uma vergonha digo eu. Só de pensar que foi para isso que fizeram e comemoram o 25 de Abril e seus ideais democratas e depois praticam o oposto.

Luís Miguel Martins

Discoteca Municipal Portimão concorre com Discotecas Privadas…





Os filhos da terra, que com seus negócios de diversão nocturna, estão à disposição dos portimonenses todo o santo ano. Ainda que alguns só aberto ao fim de semana, proporcionam emprego e divertimento aos Portimonenses e a quem nos visita.


Muitos, passam por dificuldades ao atravessar o duro e longo inverno, aguardando por tempos mais quentes, aguardando que os turistas nos visitem e assim facturar, para suportarem mais um longo e duro inverno. Tem sido assim em Portimão, terra onde o turismo sazonal impera.


Mas, eis…


Que o Verão lhes é roubado, sendo os turistas convidados a frequentarem uma discoteca no areal da praia, uma discoteca descartável, uma discoteca ambulante, uma discoteca Municipal que só chega no Verão e rouba-lhes os clientes e o sustento para o inverno. Uma discoteca de filhos de outras terras, que rivaliza directamente com os empresários locais. Uma discoteca com regras distintas, com exigências distintas de todas as outras, ainda que administrativas.


É o Sasha a discoteca municipal de Portimão.


Luís Miguel Martins

sábado, 25 de junho de 2011

O retrato



Falido, incapaz de captar investimento, criar riqueza e emprego, encobridor da verdade e criador de ilusões. Concorrente directo dos empresários do ramo do entretenimento noturno na Praia da Rocha, despesista, adicto do Ajuste Directo e alérgico ao Concurso Público. Sonegador de informação e de documentação à oposição, antidemocrático. Empregador dos rosas e rosinhas de Portimão e arredores.


Eis o retrato fiel da gestão do regime vigente em Portimão.


Luís Miguel Martins

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Antes profeta da desgraça que promotor da mesma.



Fechar os olhos ou expor a verdade ?


Em Portimão o executivo socialista e actual poder vigente e uns quantos outros têm constantemente apelidado quem denuncia as verdades como “ profetas da desgraça “.

Essa vertente de pensamento entende que só o poder vigente e uns quantos interessados poderão ter o real conhecimento dos diversos assuntos que dizem respeito ao Município de Portimão. Ocultam a realidade e a verdade aos administrados, isto é de todos nós, administrando na sombra do conhecimento. Preferem ocultar a realidade, tentam silenciar os delatores, fecham os olhos à adversidade e silenciam-se perante as interrogações.

Praticam a politica da mentira, desmentindo o indesmentível, negando até na evidencia.



Mas eis que, existem os “profetas da desgraça”. Homens e Mulheres que a tempo e horas delataram a gravíssima situação económica e financeira que o Município de Portimão se encontrava, ainda que ignorados e até gozados pelo poder vigente. Homens e Mulheres que factual e documentalmente expõem a verdade aos Portimonenses, partindo do principio que a verdade e a realidade deve ser conhecida por todos. Homens e Mulheres que denunciam as irregularidades praticadas, sem receios nem interesses, que não fecham os olhos perante a adversidade nem se silenciam perante as ameaças, perseguições e terror que se vive politicamente em Portimão.


De acordo com o supra exposto, antes “profeta da desgraça” que promotor da mesma.

Luís Miguel Martins

terça-feira, 21 de junho de 2011

Vêm em cruzeiros de luxo e encontram caminhos de cabras.



Temos Porto de cruzeiro.


Temos barcos carregados de milhares de turistas a chegar a Portimão.


Temos isto…


Temos aquilo…


Mas não temos “a porra” de uma ligação pedonal nem rodoviária ao centro da cidade de Portimão, nem à Praia da Rocha, quanto mais uma mísera placa.

Talvez por isso é que ninguém encontre em Portimão os milhares de turistas que o poder vigente alega aos sete ventos que vêm nos cruzeiros e sejam antes vistos em Albufeira, Monchique, Sagres, Fátima, etc…


É que os turistas quando saem do seu cruzeiro, além de não terem uma miserável e singela placa a informa a direcção do centro da cidade de Portimão e da Praia da Rocha bem como a sua distância, ainda que quisessem aventurar-se não têm sequer um passeio pedonal.

De que vale ter um Ferrari se só temos um simples caminho de cabras ? Será que com tanto dinheiro despendido em tanta, mas tanta festa e foguete não havia uns míseros euros para se fazer um passeio pedonal digno desse nome ?



Novamente o poder vigente tem as prioridades trocadas.

Luís Miguel Martins

Poder vigente ignora 90% da actividade económica local

O caos das placas em Portimão.


Já sabíamos que o poder vigente tem demonstrado um inqualificável “Know How” para gerir e administrar o nosso erário público, pois conseguiram que o Município de Portimão que em finais dos anos 90 era um dos mais ricos do país se tornasse num dos mais endividados do país, com uma taxa de desemprego extremamente alarmante .


Não obstante o supra mencionado, eis que o poder vigente e seus apaziguados voltam novamente a dar mostras da sua impreparação, falta de vocação e aptidão para gerir uma cidade.


As placas colocadas, ou melhor a amazónia de placas colocadas num dos principais acessos a Portimão onde se poderá constatar onde fica a PSD, Câmara Municipal, Tribunal, Turismo, grandes superfícies, Finanças, CP, Bombeiros, Hospital, Parque das Feiras, Porto Comercial, Portimão Arena, Farmácia Arade e outros são exemplo do desnorte e falta de bom senso que reina na gestão da cidade de Portimão.


Os nossos turistas entram em Portimão, confrontam uma amazónia de placas, em pleno cruzamento, algumas apontando na direcção oposta, mas não são informados onde fica o centro histórico e zona comercial da cidade ou onde ficam os restaurantes das sardinhas, nem as praias e hotéis.


Novamente a verdade tem que ser dita e a verdade é que esta poder vigente ignora o centro histórico e sua zona comercial, os restaurantes das sardinhas, hotéis e praias. Ou seja, o poder vigente ignora 90% da actividade económica Portimonense.


E esta heim…


Luís Miguel Martins

Um dia a casa vem abaixo

Cidade de Cinema de Portimão tem o prazer de anunciar que no dia 31 de Junho estreia mais uma megaprodução produzida e financiada em Portimão.


Esta última megaprodução cinematográfica intitulada “ Um dia a cada vem abaixo”, relata a história da falência de uma instituição pública e todos os seus terríveis contornos, mistérios e crimes.


Esta película que foi inteiramente filmada e produzida na “ outrora imaginada” Cidade do Cinema de Portimão, que somente em estudos virtuais já vai em 270.180,00 € que os Portimonenses de muito bom grado pagarão, conta com Rosa Dispendioso Falido no papel principal, Boy Fraldas Ofendido no papel secundário e a bela e deslumbrante Falência Escondida Descoberta no papel de mulher fatal. Como realizador um filho da terra Programa Imaginado e Enganado.


PS: Qualquer semelhança com a ficção é pura coincidência. Não nos responsabilizamos pelo pagamento dos honorários dos actores e respectiva equipa técnica.

Luís Miguel Martins

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Falta de P.S.F potencia risco da economia de Portimão



A falta de um Projecto Saneamento Financeiro potencia risco da economia de Portimão.

Com esta dissertação não pretendo fazer apologia a um projecto de saneamento financeiro Estrutural ou Conjuntural, nem a nenhum outro, pois tal já foi suficientemente discutido na comunidade Portimonense no último ano.


Com esta exposição pretendo somente levantar a discussão, do que será de Portimão sem um Projecto de Saneamento Financeiro.


Portimão, isto é o Município de Portimão encontra-se numa situação económico-financeira que todos lamentamos. O Município de Portimão encontrava-se em Março último com um passivo liquido de curto prazo a rondar os 127 Milhões de euros e com o endividamento legalmente permitido a curto prazo ultrapassado, de acordo com o relatório do próprio ROC do Município. Perante esse cenário, um projecto de saneamento financeiro mais não seria do que o financiar através de mútuo bancário e outros mecanismos o Município e permitir que o mesmo pagasse aos seus credores, isto é aos seus fornecedores, passando dessa forma o passivo de curto prazo para passivo de médio e longo prazo. Mas, serviria para financiar essencialmente a economia local .


Sem o mencionado financiamento o Município de Portimão não consegue pagar aos seus credores locais e não só. Sem o respectivo financiamento as empresas locais que prestaram serviços e/ou venderam equipamentos ao Município de Portimão terão extremas dificuldades em sobreviver e em manter os postos de trabalho. Sem o financiamento do Município de Portimão toda uma economia local está em risco.


Perante o exposto, algo é indesmentível, a economia de Portimão está em risco e esse risco aumenta quanto maior for o atraso da entrega do Plano de Saneamento Financeiro no Tribunal de Contas.


Luís Miguel Martins

Casa violada trancas à porta.



Caros amigos e amigas,


Como é do vosso conhecimento na passada 5.º feira o meu sistema informático foi visitado por desconhecido, não autorizado, que se divertiu a publicar tanto no Facebook como no próprio Confessionário de Portimão Links e comentários vinculados à minha pessoa.


Não fosse o facto do meu sistema estar à data ligado em rede e tratar-se igualmente do meu sistema profissional a coisa nem teria sido tão grave. Felizmente que não o foi.


Perante os factos supra descritos, foram tomadas as medidas necessárias, que me obrigaram a ausentar-me tanto do Facebook como do próprio Confessionário durante os últimos dias, bem como foram tomadas as diligências processuais devidas, ainda que por enquanto contra desconhecidos.


Perante o supra exposto, que foi o mais grave de todos, uma vez que já tinham atacado tanto a minha página no Facebook mais que uma vez e o confessionário de Portimão, informo que não serão esses actos que me farão silenciar. De hoje em diante, como no último ano e meio, irei continuar a informar e dar a conhecer aos Portimonenses os factos e acontecimentos que o poder vigente tem ocultado a todos e obviamente opinar.


Igualmente aproveito para encetar os meus mais sinceros agradecimentos às dezenas de mensagens de apoio e apreensão.


Atenciosamente,


Luís Miguel Martins

quinta-feira, 16 de junho de 2011

PSF - Depois da areia agora atiram pedras aos olhos.

As desculpas por parte da edilidade local, pela não apresentação do Projecto Saneamento Financeiro ao Tribunal de Contas multiplicam-se e são cada vez são mais coloridas e imaginativas.


Na passada segunda-feira, de acordo com o jornal Correio da manhã ficou-se a saber que " O presidente da câmara, Manuel da Luz, explicou que o último contrato é assinado esta semana e que a demora se prende com alguns bancos.”.


Esta quinta-feira, de acordo com o jornal Barlavento, ficamos a saber que os bancos, provavelmente desconfiados, estão a efectuar pedidos de esclarecimentos à própria câmara, isto depois das minutas contratuais estarem prontas e terem sido devidamente aprovadas. Facto deveras curioso.

De acordo com o jornal Barlavento "A mesma fonte do Gabinete da presidência da autarquia confirmou ao “barlavento” que o documento não foi de facto enviado na data prevista. É que, explicou, houve um pedido de esclarecimento por parte de uma das entidades bancárias com a qual a câmara iria contratar o empréstimo, o que atrasou o processo.”
“ O plano estava pronto, mas entretanto o sindicato de bancos constituído pelo Barclays, BPI, BES e CGD, que emprestará a maior fatia do valor total, resolveu contratar um escritório de advogados para analisar a proposta, ponto por ponto
.”

Bem…

Perante esta tentativa de atentado à inteligência das pessoas e instituições, ficamos a saber que:


a) A culpa do atraso afinal é dos Advogados;
b) Uma “entidade” pediu esclarecimentos, mas ao que parece foram os Advogados;
c) O sindicado bancário contratou um escritório de Advogados, depois de ter aprovado a minuta e a mesma ter sido igualmente aprovada em reunião de Câmara e em sessão da Assembleia…Curioso e inédito...

Meus amigos, isto já não se pode descrever como um atirar de areia aos olhos, mas sim pedras.

Luís Miguel Martins

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Denuncias, criticas ou propostas ?

Perante as denuncias levadas a cabo pela minha pessoa na qualidade de cidadão e de autarca, mais precisamente na qualidade de membro da Assembleia Municipal pela bancada do Partido Social Democrata, tenho constatado com alguma regularidade que determinadas denuncias têm sido encaradas como meras criticas.



Desde já, comunico que independentemente das referidas denuncias publicadas pela minha pessoa constituírem efectiva e frontalmente uma critica ao executivo vigente, o que honestamente nunca poderei desmentir, constituem acima de tudo uma fonte de informação para a sociedade civil das promiscuidades, irregularidades e procedimentos que são ocultados aos Portimonenses e por vezes até à própria oposição.



Perante as sucessivas e até tentadoras propostas de apresentação de soluções ad hoc para Portimão, cumpre-me informar que as propostas para a presente legislatura foram devidamente apresentadas aquando a publicação do programa do Partido Social Democrata. Tratando-se a Comissão Política vigente, órgão colegial e com competências estatutariamente consagradas, não me parece ser o mais correcto avançar com propostas pessoais e ad hoc, quando, o programa do PSD apresentado em 2009 ainda está em vigor até 2013 e na altura devida caberá à Comissão Política representada pelo respectivo Presidente, ouvindo todos os militantes e não militantes, apresentar as soluções ou se preferirem o programa eleitoral para a próxima legislatura.



As soluções a apresentar deverão ser reais, objectivas e exequíveis. Não considero nem relevo as pretensas soluções apresentadas que não esclarecem sem determinam como atingir determinado objectivo. Traçar objectivos e metas é fácil, mas traçar um mapa, um percurso de como os atingir/alcançar já é algo totalmente diferente.


As soluções a apresentar devem ter em conta as ideias do próximo Governo PSD/CDSPP, o que em boa verdade se diga ainda não foi divulgado. Bem como terão forçosamente que reflectir o acordo outorgado com a troika.


As soluções a apresentar terão que se encontrar sufragadas pelo Tribunal de Contas conforme o Projecto de Saneamento Financeiro seja aprovado ou não …


Por isso caro amigos, soluções de cariz institucional de mim nunca as ouvirão pois serão apresentadas pela Comissão Política e muito menos sem conhecermos o plano do novo Governo para o futuro de Portugal nem a decisão do Tribunal de Contas. Propostas que ignorem esses pressupostos mais não serão do que atirar areia aos olhos dos Portimonenses, tal como faz o executivo vigente .





Apresentar soluções sim, mas com e pela verdade.

Cumprimentos a todos.

Luís Miguel Martins

terça-feira, 14 de junho de 2011

Tribunal de Contas desconhece Projecto de Saneamento Financeiro de Portimão




E se de repente alguém dissesse aos credores do Município de Portimão, com créditos na ordem de 127 Milhões de euros sem se contabilizar os créditos sob as empresas Municipais, que a Direcção Geral do Tribunal de Contas desconhece até à presente data qualquer processo relativo ao Projecto de Saneamento Financeiro do Município de Portimão ?

O P.S.D. de Portimão já denunciou publicamente, através de comunicado, o facto de o plano de saneamento financeiro da Câmara Municipal, não ter ainda sido remetido para o Tribunal de Contas. Facto que contraria noticia saída no jornal regional “Barlavento” de 19 de Maio, “O Plano de Saneamento Financeiro da Câmara de Portimão vai ser enviado para a avaliação do Tribunal de Contas na próxima semana, assegurou fonte próxima do Gabinete da Presidência da autarquia.”, tentando-se dessa forma diminuta e atroz iludir os fornecedores/credores.

Apesar de o P.S.D. não concordar com o modelo de plano, (aprovado por duas vezes apenas com os votos dos elementos do Partido Socialista – Agosto de 2010 e Março de 2011), não pode deixar de alertar, denunciar, criticar e lamentar esta situação.

A ausência de um plano de saneamento financeiro, que previa um empréstimo de 95 milhões de euros, impede que o Município cumpra as suas obrigações perante Bancos, Fornecedores e outros credores, tendo em conta a trágica situação financeira do Município de Portimão, cuja responsabilidade cabe em exclusividade ao Partido Socialista. Este atraso inadmissível e ocultado aos credores, coloca em causa não só a solvência de muitos credores como os postos de trabalho de milhares.

O P.S.D. exigirá responsabilidades a quem continua a “atirar poeira para os olhos” dos munícipes e da população em geral.

Conforme noticia hoje do Correio da Manhã “ O presidente da câmara, Manuel da Luz, explicou que o último contrato é assinado esta semana e que a demora se prende com alguns bancos.”. A esta declaração coloca-se a seguinte questão: Qual o contrato que falta assinar se o projecto de saneamento financeiro, ainda não foi enviado para o Tribunal de Contas, e os empréstimos não foram ainda alvo de análise nem deliberação sobre o visto prévio legalmente exigido ?

Areia para os olhos, dirão os minimamente esclarecidos…

O Concelho de Portimão necessita de mudança, exige-se uma política de verdade e de maior transparência por forma a moralizar a função pública, os seus funcionários e a salvar a economia local.


Cópia do ofício do Tribunal de Contas, supra exposto:


" Relativamente ao v/fax de 07 do corrente, informo que consultados os nossos registos informáticos, até à presente data, não deu entrada na Direcção-Geral do Tribunal de Contas o processo relativo ao Projecto de Saneamento Financeiro do Município de Portimão.


Com os melhores cumprimentos.


A subdirectora-geral

Márcia vala".





Luís Miguel Martins

Bomba a caminho ...

No inicio da semana avisamos que iam surgir grandes novidades.

Pelas 18:00 horas vai ser publicado mais uma bomba no Confessionário de Portimão.

O que o executivo vigente não quer que os Portimonenses tenham conhecimento, mas é nosso dever dar a conhecer.


Por Portimão,


Pelos Portimonenses,


Pela Verdade e Transparência.

Luís Miguel Martins

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Todos os filhos de Portimão merecem a mesma oportunidade

A empresa municipal Portimão Urbis E.M tem cerca de 200 funcionários directos, isto é, fora os contratados a título de prestação de serviço.
Não tenhamos a mínima dúvida em assumir que são todos de duas cores, ora “rosa” ora transparentes, isto é do já nosso conhecido centrão.


Nunca, mas nunca se verificou na Portimão Urbis E.M um CONCURSO PÚBLICO de recrutamento de pessoal, ao invés o regime instalado administra o erário público como se fosse seu dono, em prol e no interesse dos seus companheiro de cor, ou aqueles domesticados, que se situam ao centro. Escolhem arbitrariamente, sem critérios nem rigor, escolhem pela cor e pelos interesses instalados.


Nunca, mas nunca existiu a iniciativa de lançar um CONCURSO PÚBLICO para que todos os filhos de Portimão possam livremente, ao menos tentar ocupar um lugar na referida empresa.


Queremos Portimão livre.


Queremos que as pessoas não tenham que se pintar de determinada cor politica, nem que seja o transparente, para que possam também eles ter uma justa oportunidade no mercado de trabalho.


Com isto não alego que na Portimão Urbis E.M não existam técnicos de excelência, obviamente que existem, mas … também existe o oposto.


Por um Portimão livre e que todos os seus filhos tenham uma real e livre oportunidade, este poder “corrompido à cor” não se pode manter mais no poder.

Luís Miguel Martins

terça-feira, 7 de junho de 2011

Política do executivo Socialista faz mais uma baixa.

Gestão do executivo socialista está a assassinar o comércio tradicional e a restauração no centro da cidade de Portimão.



A política da implantação de grandes superfícies no centro da cidade de Portimão, adoptada, seguida e defendida pelo regime vigente, está não só a desertificar o centro de Portimão de habitantes, turistas e comércio, bem como da própria restauração.




Sem habitantes, transeuntes e serviços no centro da cidade de Portimão o comércio tradicional e a restauração não sobrevivem.




Semanalmente temos assistido ao aterrador espectáculo do fecho de lojas e estabelecimentos comerciais no centro da cidade de Portimão.




Desta feita, foi o nosso já bem conhecido, e nacionalmente difundido, Burguer Ranch na rua das lojas que fechou portas. Sem transeuntes, sem serviços, sem pessoas e com a concorrência directa das grandes superfícies, outra solução não resta do que procurar novos mercados e novos clientes, termos em que em Portimão o comércio tradicional e a restauração estão a ser assassinados diariamente pelas politicas adoptadas pelo regime vigente, que já dura vai para 36 anos.




Portimão uma cidade sem industria, sem turismo e agora sem comércio.

Luís Miguel Martins

Degavar, degavar, senão bate...



Degavar, degavar, senão bate...


Eis o que acontece, quando se ignora a formação dos funcionários.


Luís Miguel Martins

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Regime instalado promove falência das empresas construção e desemprego

O regime socialista instalado em Portimão, independentemente da crise que assola o sector da construção civil em Portimão e as suas empresas e o desemprego que o mesmo originou, prefere contratar empresas fora da cidade de Portimão e fora da região Algarvia em detrimento de contratar, auxiliando, as empresas locais.


Só nos primeiros 6 dias do mês de Junho o regime socialista, contratou 2 empresas de construção de fora de Portimão, por um valor total de 274.650,00 € acrescidos de IVA à taxa legal em vigor.



Portimão que combate não só a crise no sector da construção civil, mas igualmente uma crise social com os números alarmantes do desemprego, tem um regime socialista, que tem a coragem de contratar empresas de fora ignorando as locais, não permitindo que se criem postos de trabalho em Portimão.


Nestes termos o regime socialista instalado não defende a criação de emprego em Portimão, nem o combate ao desemprego.






Concorda com isso ? Eu não ???

Luís Miguel Martins

Regime vigente continua a ignorar empresas e profissionais de Portimão

Os Ajustes Directos continuam a ser utilizados pelo regime vigente, como arma nefasta de deterioração das finanças do Município e delapidação da economia local, bem como do desmoronar do tecido empresarial local.


O regime vigente em Portimão só nos primeiros 6 dias do mês de Junho, já gastou ( aumentou a divida, pois não existe tesouraria ) 324.872,43 € em somente 6 (seis ) Ajustes Directos. As empresas e profissionais contratados por Ajuste Directo que vão desde empresas de construção a juristas, para nossa constatação são todos, mas todos fora de Portimão.



O regime vigente, mais uma vez ignora os empresários e o tecido empresarial local, optando por contratar empresas e profissionais amigos do regime de Lisboa e outras paragens.



Se constatarem as empresas contratadas, vão verificar que em Portimão existem empresas e profissionais que podiam fornecer o mesmo tipo de equipamentos e serviços, mas o executivo socialista prefere ignorar os locais, enriquecendo as empresas de fora.



Confirme tudo em: http://www.base.gov.pt/_layouts/ccp/ajustedirecto/search.aspx

Luís Miguel Martins

41,1% do eleitorado demitiu-se da sua responsabilidade




As legislativas de domingo passado marcaram um novo recorde com a abstenção a atingir a taxa mais elevada de sempre, 41,1 %, em 35 anos de eleições para a Assembleia da República.


No período especialmente sensível, em que o país e toda a sociedade portuguesa atravessa extremas e graves dificuldades, em que a taxa de desemprego não pára de aumentar e em especial perante os jovens, as empresas a fechar, os ordenados a diminuir e os impostos a subir, os números da imigração a disparar e as reivindicações e contestações sociais são ensurdecedoras, eis que quase metade do eleitorado português, isto é 41.1%, demitiu-se da sua responsabilidade eleitoral.


O voto além de um direito é um dever cívico.


Em tempos ouvia-se a expressão “Os Portugueses têm os políticos que merecem”, pois além de sufragá-la diria antes outra “ Portugal não merece os cidadãos que tem”.


Os Portugueses de forma generalista carecem de ser instruídos da importância que é uma cidadania activa e participativa, que tem seu reflexo na participação eleitoral, ainda que obviamente não se reduza somente ao voto.

Luís Miguel Martins

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Ocultação de documentação é sinónimo de mais uma acção contenciosa

Dia 19 de Maio, pelas 14:33 foi intentado em nome de um membro da Assembleia Municipal de Portimão do Partido Social Democrata 9 (nove) requerimentos dirigidos ao Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Portimão a solicitar documentos vários no âmbito do Direito ao acesso à documentação/informação e no âmbito do estatuto da oposição, conforme legalmente se encontra consagrada.

Decorre da lei que o prazo para resposta, isto é, disponibilização da documentação solicitada é de 10 dias úteis. Termos em que hoje, dia 02 de Junho, findou o prazo legalmente estabelecido e o executivo socialista não se dignou a disponibilizar a documentação/informação solicitada, ainda que legalmente obrigado.


Nesses termos, comunica-se, que perante, mais um, comportamento antidemocrático e violador da legalidade e dos direitos da oposição, será no próximo dia 06 de Junho (2.º feira), intentada, mais uma acção administrativa especial, que será a 3.º (terceira) nos últimos 2 anos, o que revela o espírito antidemocrático e absolutista com que a Câmara de Portimão é administrada.


Para que todos tenham conhecimento, eis os documentos e informação solicitada e que o executivo socialista sonega e oculta:


a) Contrato Programa outorgado entre Município e Aqua;
b) Contrato programa entre Município e Portimão Retail Parque;
c) Identificação das contrapartidas negociadas entre Município e o Portimão Retail Parque e o nível de execução das mesmas;
d) Identificação das contrapartidas negociadas entre Município e o Aqua e o nível de execução das mesmas;
e) Cópia da candidatura do Município ao programa Jessica em 2009, 2010 e 2011.
f) Cópia do parecer jurídico mencionado pelo Exmo. Sr. Presidente da Câmara aquando a isenção/benefício fiscal para exercício de 2010 ( requerida já pela 7.º vez );
g) Contrato programa outorgado entre Município e a Parkalgarve;
h) Contrato programa entre Município e o Retail da V6;
i) Identificação das contrapartidas negociadas entre Município e o Retail da V6e o nível de execução das mesmas;

Informação: Fotografia representa somente um dos 9 requerimentos.


Luís Miguel Martins

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Gestão do Município de Portimão, um exemplo de transparência.



Ainda os 712 mil euros despendidos pela Portimão Urbis E.M em estudos e consultadoria ( que ninguém conhece nem compreende), a empresas amigas fora da cidade e da região, mediante Ajuste Directo, para a já famosa Cidade do Cinema de Portimão.


Ninguém, mas ninguém, pode acusar o regime vigente de falta de transparência, pois o processo e o dispêndio de milhares de euros em tal projecto é tão transparente que ninguém o vê


Luís Miguel Martins

Época balnear inicia-se com “Guia Turístico” a ignorar turistas estrangeiros.

Tem hoje formalmente inicio a época balnear.


Época balnear essa que espera-se que em Portimão seja sinónimo de muitos turistas nacionais e internacionais, hotéis, aparthotéis e afins cheios e restauração e similares a facturar, emprego e desenvolvimento económico.



No entanto,



Como certamente se recordarão em 16 de Março de 2011, foi denunciado no Confessionário de Portimão que o tão publicitado “Guia Turístico de Portimão” tinha ignorado os turistas estrangeiros não se encontrando no seu conteúdo uma única expressão ou indicação em outro idioma que não a língua de Camões.



Vozes protectoras do regime vigente, os designados guarda costas, vieram em socorro e até afirmaram publicamente que uma versão em outros idiomas seria editada.



Bem hoje começa formalmente a época balnear, são esperados milhares de turistas estrangeiros em Portimão, mas o “Guia de Turismo de Portimão” continua somente para quem domina a língua de Camões.

Post de 16 de Março de 2011:
http://confessionarioportimao.blogspot.com/2011/03/o-executivo-do-municipio-de-portimao.html

Luís Miguel Martins