Número total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Regime Vigente não "partilha" microfone

Regime não “partilha” microfone.
No passado dia 28 realizou-se um merecido jantar de despedida e de agradecimento do Sr. Veiga, exemplar e dedicado funcionário do Município de Portimão que se aposentou,  tendo sido por muitos anos o responsável pela preparação e tramitação dos trabalhos inerentes á Assembleia Municipal e aos seus membros.
Nesses termos todos aqueles que trabalharam quer directa ou indirectamente com o Sr. Veiga foram convidados a estar presentes no referido jantar. Jantar esse onde obviamente fizeram-se representar todas as forças políticas de Portimão, sem excepção.
Lamentável, é que novamente ao melhor estilo Bolchevista, ao melhor estilo ditatorial, ao melhor estilo Socialista, o Regime não partilhou o microfone com a oposição, não permitindo que a oposição em jantar própria proferisse publicamente umas palavras ao homenageado, lamentavelmente direi, uma vergonha para a democracia, acuso…  Limitou-se o Regime a promover os seus tendo somente disponibilizado o microfone para o Dr. Manuel da Luz, Dr. Francisco Florêncio, Martins Garcia e Dra. Isilda Gomes.
O Regime vigente mais uma vez demonstrou a sua falta de respeito pelo pluralismo político, social e democrático. Obviamente que todos aqueles que não são “rosas” ficaram inibidos de publicamente, também, distinguirem o homenageado.
Termos em que,
Por um Portimão democrático, Por um Portimão que trate todos como iguais e não distinga as pessoas conforme a sua cor política, por um Portimão que respeita o pluralismo político, social e de opinião este Regime ditador tem que ser expulso pelos Portimonenses.
Luís Miguel Martins

8 comentários:

  1. Mais uma vez se atenta contra a liberdade de expressão. É algo que cada vez mais já vem sendo mais evidente. Será por receio ou o 25 de Abril não chegou a este Concelho.

    ResponderEliminar
  2. O jornal O Barlavento escreveu que “A Assembleia Municipal de Portimão, nomeadamente através do respectivo presidente/Mesa e lideres de bancada, decidiram promover um jantar /convívio, no sentido de homenagear o Assessor da Assembleia Municipal de Portimão Heliodoro Veiga”. Mas no final de contas os lideres de bancada foram esquecidos e ignorados, o “Regime” como o Dr. Martins o descreve aproveitou e fez daquele jantar mais um acto de promoção politica, com o qual como o Dr. e outros também eu me envergonho com isso.

    ResponderEliminar
  3. Ilustre Arq. Luís Rodrigues,
    Julgo que esta conduta antidemocrática e déspota do Regime existe essencial por 3 motivos.
    Primeiro pelo facto de efectivamente terem receio de partilhar o palco, receio que os outros estejam ao mesmo nível que eles em situação de promoção de uma mensagem. Efectivamente o Regime tem receio de opiniões contrárias e que se divulgue a verdade.
    Segundo, porque efectivamente vivemos numa comunidade que ainda suspira pelos princípios de Liberdade, igualdade e Justiça oriundos aquando o 24 de Abril de 1974.
    Terceiro e último, porque o Regime habituou-se nestes últimos anos a comandar, capitanear uma cidade à base do medo, do receio de nunca á base da consideração e do reconhecimento. Em Portimão as pessoas têm receio de falar, medo de serem perseguidas, pois muitos já o foram e alguns bem que o regime tenta, e com isso habitou-se a desconsiderar o próximo, a desconsiderar o seu concidadão e todas as forças sejas elas políticas ou não que existem na cidade, mas que são de cor diversa da sua.

    ResponderEliminar
  4. Eles querem ser o guarda-redes, o defesa, o meio-campo, os avançados, os treinadores, os árbitros e até a assistência, pois só sabem jogar sozinhos. O grande problema é que estão a ficar sem campo e tempo . Ahahahahahaah

    ResponderEliminar
  5. “Um Homem seguro de si não tem medo de partilhar um palco, um inseguro já o tem.”

    ResponderEliminar
  6. Eles não partilham nada, nem com eles próprios, dai que como a maça estragada, esta também vai morrer por dentro.

    ResponderEliminar
  7. Já me tinham comentado esse facto. Lamentável. Vergonhoso.

    ResponderEliminar
  8. Esta falta de abertura democrática choca-me um pouco.
    Esta conduta que o poder instalado na nossa outrora linda cidade de Portimão, favorecendo e promovendo os seus, em detrimento da universalidade e da igualdade entre cidadãos sinceramente leva-me a pensar se Portimão será o local indicado para educar e criar os meus netos.
    Pessoalmente não conheço a pessoa que foi homenageada, mas ao que me parece foi um funcionário da câmara de Portimão que trabalhou assídua, diária e em contacto com todas as forçar políticas e até não políticas existentes em Portimão que nos últimos anos tiveram assento na Assembleia Municipal. E ainda por isso não permitiram as pessoas que julgam que mandam nesta cidade que todas as forças políticas e não politicas que trabalharam com a referida pessoa pudessem dispensar-lhe publicamente umas palavras de apreço.
    Tenham vergonha meus senhores, tenham vergonha. Saiam da política pois não são merecedores que ocuparem os cargos que ocupam.

    ResponderEliminar

Por motivos que se prendem com a falta de ligação entre os comentários e os Post colocados e outros, doravante todos os comentários serão previamente considerados.